terça-feira, 31 de agosto de 2010

Mini-glossário das Eleições Gerais de 2010

Continuando com a cobertura das Eleições Gerais no Brasil, resolvi fazer um mini-glossário dos termos utilizados nas nossas eleições para aqueles que não são brasileiros, ou até mesmo são brasileiros, mas não entendem muito bem algumas regras do nosso processo eleitoral:

Eleições majoritárias:
são as eleições nas quais ganham os candidatos com o maior número de votos, dentro de determinada circunscrição eleitoral. No Brasil, aplica-se esse critério às eleições para os chefes dos três níveis do executivo – Presidente da República, Governador do Estado e Prefeito Municipal – bem como para o cargo de Senador da República, pois o Senado é a casa do Congresso que representa os Estados, sendo que cada um destes possui um número fixo de representantes – três por Estado. A circunscrição eleitoral do Senador é o Estado que ele representa.

Eleições proporcionais:
são as eleições nas quais a representação política é distribuída proporcionalmente, através dos quocientes eleitoral e partidário, entre os partidos políticos concorrentes. Este critério é utilizado nas eleições dos três níveis do legislativo, com exceção do Senado Federal, isto é, para eleger os Deputados Federais, Deputados Estaduais e Vereadores.

Votos válidos
: cada partido tem um número, chamado de legenda, e cada candidato tem o seu número, derivado da legenda do seu partido. Por exemplo, o número do PT é 13 e do PSBD é 45, então, se eu quiser votar na Dilma terei de digitar 13 e, do mesmo modo, se quiser votar no Serra, digitarei 45. Para os candidatos a governador é a mesma regra para presidente, o seu número é o mesmo do partido. No caso dos Senadores, o número é a legenda do partido mais outro numero, por exemplo 431 – neste caso eu sei que se trata do número de um candidato a senador pelo PV. O mesmo acontece com os candidatos a deputados federais (cujo número se inicia com a legenda de seu partido mais dois dígitos – ex: 4500) e a deputados federais (cujo número inicia-se com a legenda de seu partido mais três dígitos – ex: 13000). Então, na hora de votar, o eleitor tanto pode colocar o número de um candidato específico, pode votar apenas no partido (nas eleições proporcionais – o chamado voto de legenda), pode votar em branco – se nenhum candidato lhe agrada – ou pode colocar um número que não está cadastrado – assim o seu voto será considerado nulo. Para efeitos de contabilidade eleitoral, os votos brancos e nulos são descartados, sendo apenas os votos nominais e de legenda considerados válidos.

Quocientes eleitoral e partidário:
são os critérios matemáticos utilizados para estabelecer a proporção de vagas pertencente a cada partido no parlamento e funciona da seguinte maneira: somam-se todos os votos válidos e divide-se pelo número de vagas no parlamento, o resultado chama-se quociente eleitoral. Vou dar um exemplo: um Estado possui 10 vagas de deputados e houve 100.000 votos válidos na eleição. Então, divide-se 100.000 por 10, que dá 10.000 e este é o quociente eleitoral. A partir do resultado do quociente eleitoral, calcula-se o quociente partidário, para saber quantas cadeiras caberão a cada partido ou coligação, que é feito da seguinte forma: divide-se o número de votos válido que cada partido teve pelo quociente eleitoral. Ainda com o exemplo que dei, vamos supor que o partido A teve 40.000 votos. Dividindo-se o número de votos do partido pelo quociente eleitoral, sabemos que o partido A terá 4 vagas. Deste modo, os 4 candidatos a deputados mais votados do partido A, assumirão os cargos, sem necessariamente terem sido os mais votados nominalmente. Uma exemplificação disto foi a eleição de Eneias Carneiro do PRONA, ele teve mais de 1 milhao de votos e, com isso, o seu partido ganhou muitas vagas com base no quociente eleitoral e partidário, de modo que um candidato de seu partido, que teve 1000 e poucos votos assumiu o cargo de deputado federal, em detrimento de Celso Pitta, que obteve 150 mil votos, se não me engano, mas não conseguiu se eleger porque o seu partido não obteve muitas vagas e ele não estava entre o mais votados.

1º e 2º Turno:
A regra eleitoral brasileira determina que os candidatos a cargos majoritários, nas circunscrições eleitorais com mais de mais 200.000 eleitores, com exceção das eleições para o Senado, devem ser eleitos por maioria absoluta dos votos válidos, ou seja, com 50% dos votos mais um voto. Para que isso aconteça, a eleição é realizada em dois turnos, se necessário. No primeiro turno, vários candidatos concorrem ao cargo, como vocês podem ver nesta corrida presidencial que possui 10 candidatos. Se nenhum deles conseguir a maioria absoluta nesta votação de 03 de Outubro, a qual chamamos de 1º Turno, será necessário que haja um 2º Turno. Neste, apenas participarão os dois candidatos mais votados no 1º Turno.

Verticalização:
No Brasil é permitido que os inúmeros partidos façam alianças chamadas de coligação em todos os níveis de eleições. Ocorre que, até 1998, aconteciam discrepâncias absurdas e imorais de partidos, que eram adversários na corrida presidencial, fazerem coligações no plano estadual. Naquela época, era possível que partidos como PT e PSDB, que são adversários no quadro federal, coligar-se nos Estados. Hoje, isso não é possível e as coligações apenas podem ocorrer no quadro estadual se os partidos também estiverem coligados no plano federal. Nesta eleição houve uma flexibilização da verticalização, no sentido de que os candidatos, no nível estadual, mesmo adversários, podem utilizar a imagem do mesmo candidato a presidente, se o seu partido fizer parte da coligação nacional. Para isso, dou exemplo que acontece no Estado do Ceará. Aqui o candidato a governador pelo PSB, Cid Gomes, e o candidato do PR, Lúcio Alcantara, muito embora estejam disputando o mesmo cargo, trazem Dilma e Lula em suas propagandas políticas, pois seus partidos estão coligados com o PT na corrida presidencial.

Lei da Ficha Limpa:
Trata-se da Lei Complementar nº 135 de 04 de junho de 2010, que nasceu de um projeto de lei de iniciativa popular que reuniu quase dois milhões de assinaturas, e que impede que os políticos com condenação, em segunda instância, na justiça comum e eleitoral, bem como aqueles que foram banidos do exercício de sua profissão por infração ético-profissional, possam se candidatar por um determinado período. Por decisão do TSE, esta lei já se aplica à presente eleição.

Espero ter contribuído para que todos entendam como funcionam as Eleições no Brasil

Larissa Bona

PS: Dados da última pesquisa do IBOPE – Dilma venceria as eleições em 1º Turno com 51% dos votos, Serra ficaria em 2º lugar com 27%, Marina teria 7% e 9% dos eleitores ainda não sabe em quem vai votar.

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

6.2 - O feudo - Importancia e caracteristicas

O feudalismo acentou sobretudo nas relações entre o senhor e o servo. Era essencialmente uma relação de submissão, trabalho, dependência do servo em relação ao senhor. Em troca este dava-lhe trabalho, abrigo e comida. As classes sociais estavam muito bem delineadas. Quem nascia senhor, sê-lo-ia para o resto da vida, enquanto que os servos nunca poderiam sonhar em ser Senhor um dia. Todos sabiam o papel que representavam na Sociedade, nunca havendo dúvidas de quem mandava e obedecia. Não havia mínima possibilidade de um servo conseguir almejar o estatuto de senhor, mesmo que a sua dedicação ao trabalho fosse excelente. A época não era de promoções nem recompensas a nivel de estatuto. Para o mais exemplar dos servos, havia a garantia de comida e trabalho, nada mais. E infelizmente, os servos tinham que pagar certos impostos aos Senhores como vimos no subtema anterior. Os Senhores Feudais tinham um poder imenso sobre o seu Feudo. Para além de serem Administradores, eram também Juizes e Chefes Militares. Quer isto dizer, que quem decidia o destino de um servo era o Senhor Feudal bem como assumia a liderança do exército em caso de conflito. Ainda de referir, o facto de o servo ao aceitar trabalhar para o Senhor, estava a dar a vida por ele. A relação de submissão era eterna. Os servos tinham de dar a sua fidelidade ao Senhor ad eternum.......

continua dia 13 de Setembro............

O odiado e o amado

O nosso sistema político tem a particularidade de consagrar duas figuras importantes e com relevância nos destinos do país.
Falo do Presidente da Republica e o Primeiro-Ministro. O primeiro com funções meramente politica e o segundo executa e também aprovar decretos-leis.
Para além das funções serem logicamente diferentes, o carinho que as pessoas nutrem por cada uma destas figuras de Estado é também ele muito distinta.
Não houve até hoje Presidente da República que fosse odiado pela maioria dos portugueses. Quanto mais assobiado em público. E todos eles quando acabaram o seu mandato, tiveram uma palavra de agradecimento aos portugueses pela "simpatia" e "bom trato" durante o seu mandato. Recordo estas palavras de Sampaio no dia em que "passou" o testemunho a Cavaco Silva. Por uma questão de respeito mas também de simpatia, o PR é sempre acarinhado pelo povo.
Em contraste, o PM nunca colhe a simpatia da população. Isso foi visivel com Guterres no Masters de Lisboa (lembram-se da monumental assobiadela?); com Durão na inauguração do novo estádio da Luz e Socrates já começa a ser vaiado em algumas cerimónias públicas. Apesar de serem eleitos, o estado de graça dos Primeiro-Ministros é muito curto, sobretudo no segundo mandato. Mas Durão Barroso levou com o ódio em cima bastante cedo.
O PM é sempre responsável pelo estado do país, e nos ultimos 15 anos tem vindo a piorar. Já o PR é visto como o Presidente de todos os portugueses sendo sempre visto como alguém em quem se pode e deve confiar. É apenas uma figura.
Nem mesmo quando PR e PM são da mesma cor política existe espaço para as duas figuras no coração dos portugueses.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Side-by-Side

The Sevenstar Race Round Britain and Ireland is exciting... Groupama and Telefonica are in the lead side-by-side, but it still one day for the finish and no ones know who will win this Match ....

Mulheres XXXI

Wendy Fiore
Próxima Bond Girl?

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Assembleia de Pinguins

Quantos pinguins estão aqui?

Introdução aos problemas brasileiros......

Brasil não é um país, é um CONTINENTE! Falar em problemas da sociedade brasileira é muito difícil, sem regionalizarmos! Temos no sul do país os mesmos problemas que os paises pobres da Europa tem. Porém no Nordeste os problemas são comparaveis aos da India ou dos mais atrasados e pobres países do mundo. E tudo é Brasil. A mesma lingua. A mesma etnia, os mesmos canais de TV ( leia-se Globo ) , as mesmas marcas de cigarro e de celulares! Claro que dessas diferenças monumentais nascem problemas complexos. O ensino é um deles! Falta EDUCAÇÃO, e depois educação de qualidade, para todo povo brasileiro. Falta saúde. Falta moradia. Trabalho não é um problema, pois temos um país continental a ser construido, mas as novas gerações não encaram o trabalho como parte edificante do ser humano, como foi até tempos passados! O trabalho passou a ser considerado como um CASTIGO que querem nos impingir, nos privando de poder gastar nosso tempo com lazer, samba e futebol. A Globalização trouxe uma série de novos componentes comportamentais que as sociedades, por não serem homogêneas, não estavam preparadas para receber num pacote compacto. O que é verdade para o sul do país é ficção para o norte e nordeste! Daí, conflitos existenciais! Mas convivemos com isso desde 1500, e vamos continuar convivendo com essas diferenças, que são marcadas e pautadas pelo clima e solo da região! O homem continua sendo produto do meio. Mas essa é outra história e não será resolvida nem nessa eleição, tão pouco nas próximas! É verdade que o Brasil tem diminuido essas diferenças às custas do capital gerado no centro-sul, mas por mais que se avance, temos muito a percorrer!
Texto de Eduardo P.L do blogue www.cimitan.blogspot.com

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

"samente" para tramar o Seleccionador

Carlos Queiroz foi suspenso por um mês pelo Conselho de Disciplina da FPF. Podia ter sido uma semana ou 15 dias, mas teve de ser um mês para que o seleccionador não orientasse a selecção nos dois próximos jogos de qualificação para o Euro2012. Para fazer bem á equipa e dar uma imagem positiva do País por esse Mundo fora, os grandes juízes e direcção da FPF decidiram que Queiroz não iria orientar os jogos a partir do banco.
Tudo por causa de um desabafo do seleccionador durante o estágio da Covilhâ em que os vampiros queriam fazer o seu trabalho às 7h da manhâ. Hora mais que apropriada para se fazer o controlo anti-doping. O Seleccionador (e bem) achou inaceitável o horário e mandou o Presidente do CNAD para um certo sitio. Perante isto, os senhores das análises foram fazer queixinhas ao seu director. Este foi reclamar junto do seu superior o Presidente da FPF que sempre amou Scolari e desde a primeira hora se arrenpendeu de fazer regressar Queiroz, ao ponto de num jogo de qualificação para a África do Sul ter abandonado o seu lugar.
Tendo em conta que Portugal não trouxe a Taça, chegou o tempo daqueles que não sabem perder nem reconhecer as debilidades da equipa nacional tentar por tudo despedir Carlos Queiroz. Desde o homem "samente", a Amandio de Carvalho que está na Federação há mais de dez anos sem qualquer resultado, a Manuel José que tem aquela dorzinha de nunca ter treinado Portugal, até alguns comentadores desportivos que se pegassem numa equipa de futebol tremiam por não saberem nada de futebol.
Também o Estado, que nunca se mete em questões desportivas, segundo as palavras de Laurentino Dias; veio dizer de Justiça. A Taça era um excelente momento para o governo socialista dizer que fez obra!
São muitas pessoas contra um homem só. Queiroz ainda chamou Ferguson, Vieira, Figo e até Pinto da Costa; mas os homens da Federação que há mais de 15 anos ocupam a cadeira na Alexandre Herculano são irredutiveis e até a Autoridade Anti-Dopagem vai chamar a si o processo para castigar Queiroz entre 2 a 4 anos. Eu também quero castigar o seleccionador? também posso? . Corremos o risco de jogar o Europeu sem treinador o que seria inédito. Mas em Portugal já nada nos pasma. A inveja e o jogos de bastidores são duas caracteristicas bem nossas. E afastar os melhores também está no nosso sangue. Não há volta a dar.
Queiroz vai sair à força, mas Madail e os restantes irmãos metralha vão continuar a estragar a equipa de todos nós, que tão bem esteve nesta década com presença numa final do Euro2004 e meias finais do Alemanha 2006. Bem como presenças em todas as fases finais. O sucesso não teve continuidade porque Scolari andou mais preocupado com Santos, Rezas e a dar murros em jogadores adversário do que nas selecções jovens. O trabalho de Queiroz neste campo não terá continuidade porque Manuel José quer ser seleccionador. Pode muito bem vir a sê-lo, mas não terá sucesso. Por duas razões: a primeira é que vão fazer a ele o que andam a fazer a Queiroz e depois porque existe Jesualdo Ferreira, Jesus, Villas Boas, Paulo Sérgio, Domingos, Mourinho e até Carvalhal.
Não terá hipotese.
Mas neste país ninguém tem!

SPORTING BRACARA AUGUSTA bem vindo ao clube dos Grandes

Sporting de Braga elimina Sevilha, ganha os dois jogos e pela primeira vez está na fase de grupos da Champions.
o que falta ao Braga para ser um grande?

terça-feira, 24 de agosto de 2010

A Propaganda Eleitoral Gratuita no Rádio e na Televisão


No dia 17 de agosto, iniciou-se o que, para mim, é a melhor parte da eleição: a propaganda eleitoral gratuita no radio e na televisão, que estará no ar até 30 de setembro.

O horário eleitoral gratuito tem a duração de 50 minutos e é dividido em dois blocos de 25 minutos.

No primeiro bloco é exibida a propaganda eleitoral dos candidatos a cargos majoritários, ou seja, presidente, governador e senador; e no segundo bloco é exibida a propaganda dos candidatos a cargos proporcionais: deputados estaduais e federais.

Nos dias de segunda, quarta e sexta, passa a propaganda dos candidatos a governador, senador e deputados estaduais. Nos dias de terça, quinta e sábado, é exibida a dos candidatos a presidência e deputados federais. Dia de domingo é descanso!

No rádio, o programa eleitoral gratuito é veiculado às 7h00min e ao meio dia. Na televisão, a exibição é feita às 13h00min e às 20h30min.

A divisão do horário é feito da seguinte maneira: um terço do tempo é dividido igualitariamente entre todos os partidos com candidatos e os outros dois terços é dividido, proporcionalmente, de acordo com o número de representantes da coligação na Câmara dos Deputados.

Para quem não sabe, a coligação é a união de vários partidos em prol de um candidato, por exemplo, Dilma é candidata da coligação “Para o Brasil seguir mudando” que é formada pelo PT, PMDB, PDT, PSB, PR, PC do B, PRB, PTN, PSC e PTC, já Serra é candidato da coligação “O Brasil pode mais”, composta pelo PSDB, DEM, PTB, PPS, PMN e PT do B. O partido da Marina, o PV, não é coligado com ninguém.

Como vocês podem ter percebido, a Dilma tem a maior coligação, portanto, também tem o maior horário de propaganda eleitoral (10 minutos, 38 segundos e 55 centésimos). Em segundo lugar vem Serra com 7 minutos, 18 segundos e 54 centésimos. Marina tem direito a 1 minuto, 23 segundos e 22 centésimos. Em quarto vem Plínio Sampaio com 1 minuto, 1 segundo e 94 centésimos.

Os demais candidatos, por seus partidos não terem representantes na Câmara dos Deputados, ficam apenas com sua parte na divisão igualitária do terço do tempo de propaganda, isto é 55 segundos e 55 centésimos, cada.

Além do tempo acima, as emissoras de TV devem veicular 7 minutos de propaganda eleitoral durante toda a programação, através de inserções de até 60 segundos, entre as 8h e 24h. A ordem dos anúncios e programas é determinada mediante sorteio.


Eu considero o horário eleitoral a melhor parte da eleição porque é simplesmente divertido.

Claro que, salvo raras exceções, os candidatos a cargos majoritários fazem programas sérios, sendo que os dos grandes partidos possuem uma qualidade fantástica, podendo ser considerados verdadeiros curtas-metragem.

Mas o show acontece mesmo no segundo bloco, quando começam as propagandas dos deputados, é simplesmente fantástico! Tem cada figura!

E é bastante interessante ver não só a idiossincrasia de pessoas que jamais estariam preparadas para sair na TV, mas também como alguns candidatos podem ser hilários, que é o caso do Tiririca, cujos melhores momentos da sua propaganda eu veiculo neste post.

E se você pensa que a campanha dele é de sátira e de protesto, você ficará redondamente enganado. Por incrível que pareça, a sua candidatura é para valer, muito embora, ele sequer tenha noção do que significa o cargo para o qual concorre. Vejam a entrevista que o Tiririca deu à Folha de São Paulo: CLIQUE AQUI.

E os riscos de ele ser eleito? Confesso que são altos, pois até um macaco já foi o mais votado no Rio de Janeiro! Coisas do Brasil!

Larissa Bona

PS: Coloco aqui o link com a última pesquisa do Instituto Datafolha para Presidente. Segundo a pesquisa, Dilma ganha no 1º Turno. CLIQUE AQUI

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Figuras da Década (9) : Lula da Silva

Luiz Inácio Lula da Silva, 35º Presidente do Brasil desde 2003 até aos dias de hoje.
Em Outubro o Brasil vai dizer adeus a um mais carismáticos e importantes Presidentes da história da política brasileira.
O homem que fez com que o Brasil fosse a economia mais poderosa do Brasil, nasceu a 27 de Outubro de 1945. Candidatou-se por cinco vezes à Presidência do Brasil tendo ganho em 2003 a corrida presidencial.
Em 2009 foi considerado o homem do ano pelos jornais Le Monde e El País. O Financial Times considerou-o umas das 50 pessoas mais poderosas em todo o Mundo.
A sua infância foi dura. Teve que trabalhar para ajudar a sua familia a ganhar recursos financeiros. Trabalhou em mecãnica, tinturaria, engraxate e auxiliar de escritório.
Depois a sua vida levou o rumo do sindicalismo. Foi nomeado como um dos Directores da Previdência Social. Em 1975 foi eleito Presidente do Sindicato dos Metalurgicos. Durante a greve de 1978 pensou em fundar um Partido que representasse os trabalhadores. Assim em 1980 nasceu o PT (partido dos trabalhadores) cujo um dos fundadores foi o actual Presidente do Brasil.
Em 1989 Lula candidata-se pela primeira vez á presidência mas é derrotado por Fernando Collor de Mello. A segunda tentativa foi em 1994 e o adversário era Fernando Henrique Cardoso, também ele considerado um dos melhores Presidentes da História. Mas Lula viria a ser novamente derrotado. Como homem perseverante, Lula não desistiu e em 2002 voltou a concorrer. À terceira tentativa seria de vez. Lula venceu o candidato do PSDB José Serra, que volta a candidatar-se em 2010.
Em 2006, Lula recandidata-se e vence o seu rival Geraldo Ackmin.
Foi no plano económico que o Governo Lula teve o seu sucesso. Diminuição do desemprego, aumento de pessoas contratadas, queda da divida externa e uma balança comercial superavitária.
Mas foi em 2007 que se deu o crescimento económico que não foi afectado pela crise internacional devido ás medidas eficazes que o Governo Lula adoptou.
Em Setembro de 2008, o Presidente volta a quebrar um recorde histórico : Obteve a maior taxa de aprovação que algum Presidente jamais teve. 64% foi a taxa de popularidade de Lula da Silva.
No plano externo, manteve relações privilegiados com a UE, Cuba e os Estados Unidos.
O Brasil cresceu muito com Lula. Em termos economicos mas também no plano externo.
Para além de ter lugar de destaque no G-20, foi também considerado como a nova potência da América Latina por entidades económicas.
Apesar do sucesso financeiro, Lula não conseguir resolver os problemas de desigualdade e violência que ainda assolam o país, principalmente nas principais cidades.
Lula foi mais um presidente que se preocupou com a estabilidade financeira e imagem externa do Brasil do que propriamente um lider "social". Tendo em conta que fez toda a carreira politica protegendo os mais fracos, fica muita por fazer no campo social. Mesmo assim , nunca deixará de ser o Presidente a quem Obama um dia chamou "um gajo porreiro".

O fim das maiorias

Esta semana a Austrália foi a votos. Também aqui nenhum dos partidos conseguiu chegar a uma maioria no Parlamento. Há 70 anos que o Parlamento não sofria este problema.
Em Inglaterra, nas eleições deste ano aconteceu o mesmo. Nem os conservadores nem o Labour conseguiram alcançar uma maioria na Câmara dos Comuns. Desde Tony Blair que o parlamento inglês não estava dividido desta forma. Aliás, a democracia inglesa sempre foi dominada por governos maioritários. Margaret Thatcher, John Major, Tony Blair e agora Gordon Brown. Mas a democracia também chegou às ilhas britanicas e os eleitores preferiram um governo minoritário em vez de maiorias absolutas.
Em Portugal, nas eleições de há um ano, os portugueses disseram basta à maioria socialista e escolheram um Parlamento mais democrático.
O fim das maiorias absolutas em países tradicionalmente adeptos desta forma de governar, como são os casos dos exemplos atrás descritos; mostra bem que os poderes absolutos não são a solução ideal para governar. Excesso de poder concentrado num partido, controlo da administração publica, contas do Estado e em certos casos da comunicação social. Acontece existir pouca democracia, porque os governos apenas implementam as suas ideias.
Digamos que os governos de maioria absoluta são uma espécie disfarçada de governos totalitários. Só que estes não tinham fim. Enquanto que o fim da maioria absoluta depende da vontade dos eleitores.
O novo quadro politico nestes três países mostra bem que as populações não querem o poder concentrado apenas num partido. Sob pena de existir falta de democraticidade no sistema......
O poder absoluto também pode originar abusos. Como a corrupção ou o controlo dos Media. Sendo que os casos de corrupção e controlo dos media por parte dos governos se multiplicam por esse Mundo fora. Portugal e Inglaterra foram vítimas desse mesmo excesso de poder concentrado num só.
A mim parece-me que a democracia fica a ganhar com a existência de maiorias absolutas, pois cada partido procura a solução mais adequada para melhorar o país. Assim, a solução encontrada será sempre em beneficio do todo e não apenas de uma parte. Todos contribuíem para o crescimento e melhoramento da sociedade.

domingo, 22 de agosto de 2010

Onde andas tu Alegre?

Manuel Alegre anda desaparecido.
Não tem feito comícios, dado conferências ou sequer aparecido em programas televisivos.
É certo que as eleições são em Janeiro de 2011 mas para quem tem de "derrubar" o actual Presidente da Republica é pouco. A candidatura há muito que foi anunciada, mas as eleições são só em Janeiro 2011. Também os outros dois candidatos a Belém Fernando Nobre e Defensor Moura já manifestaram a sua intenção de concorrer a Belém.
Quanto ao Chefe de Estado, por coerência so irá anunciar a recandidatura após a marcação das eleições.
Apesar da politica estar de férias, era uma boa altura para Alegre aparecer e questionar o PR. Os incêndios, as palavras de Passos Coelho, o défice......temas não faltam ao Poeta candidato.
Este desaparecimento de Manuel Alegre pode ter uma explicação. O facto de ter apresentado a sua candidatura formal cedo demais. Há muito que Alegre anda a fazer campanha, desde 2006 quando perdeu as ultimas eleições. Por isso, tinha a necessidade de avançar muito cedo.
Foi um erro estratégico de Alegre. Após o anuncio da sua candidatura Manuel Alegre esteve muito activo. Mas tem vindo a apagar-se. Mesmo o apoio do PS foi muito tímido e pouco notado.
Agora nestes quatro meses que faltam para as eleições, Alegre já pouco terá dizer. O que vier aí será uma repetição. Já todos ouvimos e sabemos o que ele quer e pensa.
O país vai estar atento ao trabalho de Cavaco e às suas ideias. Quererá ouvir Cavaco e não os outros candidatos que já está no terreno há bastante tempo.
Com este erro estratégio o ex-deputado pode ter muito bem ter hipotecado as suas hipoteses para conseguir chegar a Belém...

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Quiz Olhar Direito I

  1. Qual é a capital do Niger?

2.Como se chama a Primeira Mulher Presidente num país Africano? E qual foi esse país?

3.Quantas ilhas têm as Caraíbas?
4.Quem foi o décimo Rei de Portugal?
5.Em que dia se iniciou a Primeira Guerra Mundial?

6. Quantos países tem a Europa?

( não vale ir ao Google ou outro motor de busca)

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Factos da Década(8) : Independencia Kosovo, Montenegro e Timor

Montenegro Kosovo
Timor
Na década que passou, o Mundo assistiu ao nascimento de três novos países. Um deles que situado no Sudeste Asiático e os outros dois na região dos Balcãs.
Timor conseguiu a sua independencia a 30 de Agosto de 1999 através de um referendo organizado pelas Nações Unidos. Contudo, o povo timorense sofreu muito com esta escolha. Durante meses ocorreram vários massacres contra o Povo timorense. Foi um dos acontecimentos mais negros da história daquele povo. Quase 10 anos depois da Independencia, Timor já é um país estável e seguro. Como muito potencial para se poder desenvolver. A sua capital é Dili e divide uma Ilha com Indonésia.
Nos ultimos dois anos, os Balcas assistiram aos desmoronamento completo da Jugoslávia. Dois novos países surgiram como consequência da existência de várias etnias na região. O primeiro país a surgir foi Montenegro.
A 3 de Junho de 2006 o Parlamento Montenegrino declarou a independência do país. Mas só a 28 do mesmo, a Onu reconheceu a sua total independência. O povo montenegrino escolheu a 21 de Maio do mesmo ano a separação total da Sérvia. Até esse momento e desde 2003, Montenegro era uma das duas repúblicas do Estado da Sérvia e Montenegro. A separação dos dois era apenas uma questão de tempo. A capital de Montenegro é Podgorica.
O maior problema surgiu em Fevereiro de 2009 quando o Kosovo declarou a sua independência. O Presidente Hashim tasci anunciou no Parlamento a cisão com sérvia, o mundo ficou dividido. Uns reconheceram a declaração de independência como os Estados Unidos e meia Europa, mas a Russia, temendo que isso fizesse com que as organizações separatistas optassem pelo mesmo caminho, ficou ao lado da Sérvia que também não reconheceu a independência kosovar. A sua população é de origem albanesa embora existe uma minoria serva. A sua capital é Pristina.
Foi assim que o Mundo viu nascer mais três nações. A história dos novos países dos Balcâs é muito similar e é de realçar que neste ponto do globo ainda existe força para se criarem novos países......
De onde sairá uma nova nação? Russia? Espanha?

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

O futuro com ou sem Lula....

Os candidatos José Serra(na foto), Marina Silva e Dilma Rousseff são os principais à corrida na presidencia do Brasil.
Depois das entrevistas divulgadas na semana passada pela Larissa convêm fazer uma análise.
Dilma Rousseff dificilmente ganhará. Lula está em Dilma. E esta não largará Lula até ao fim da campanha. A entrevista decorreu sempre sob o espectro do actual Presidente. Dilma não se desloca do Presidente e mostra que irá continuar o seu trabalho. O problema é que os brasileiros apesar do sucesso de Lula parecem querer mudar de politica, mensagem, rumo........
Dilma colou-se muito a Lula. Isso pode ser fatal. E ela não tem a capacidade que o actual possui.
Já Marina Silva fez um discurso muito social. Preocupou-se com os mais pobres. Pode ser que num país onde as desigualdades são muito fortes esta forma de fazer política caia bem. Apesar de tudo, a candidata do Partido Verde parece ter pouco estofo para se tornar Presidente. É muito mansinha e delicada. A sua voz quase não se ouve num auditório cheio de pessoas.
Quanto a José Serra, é o candidato que quer descolar de Lula. A entrevista foi muito centrada nas suas relações com o actual Presidente tendo dito mesmo que "a partir de 1 de Janeiro Lula já não será Presidente". A luta não é com Lula mas com outros. Serra não quer olhar para o passado mas sim para o futuro. Uma palavra para a abordagem ao tema da corrupção.
E o futuro do Brasil será com ele a governar?

O falhanço norte-americano

Concluida a missão no Iraque, os EUA anunciaram que irão retirar do Afeganistão. Quase 9 anos depois da invasão à terra dos talibas e 7 ao antigo refugio de Saddam, é tempo das tropas norte-americanas voltarem para casa e deixarem ambos os países entregues aos respectivos povos.
Podemos classificar as duas ofensivas como autênticos fracassos. No Iraque apesar de terem conseguido capturar Saddam, não conseguiram evitar o derramamento de sangue diário naquele país. Os atentados foram uma constante. A democracia foi restaurada mas por pouco tempo. Com um vizinho Irão bastante fundamentalismo é dificil ao Iraque consegue sobreviver numa democracia. Aparecerá outro Saddam?
No Afeganistão a situação é bem mais complicada. Osama Bin Laden continua a monte, e o governo não parece ser totalmente pro-americano. E o a ultima eleição foi tudo menos pacífica.
Perante estes dois rotundos falhanços que poderão trazer mais instabilidade nas duas regiões, questiona-se se o papel de "salvador" que os EUA querem implementar no Mundo não estará esgotado. E se as guerras compradas por este país não se transformam depois em vinganças.
De uma coisa estamos certos: o papel dos EUA no Mundo já não é dominador. Daqui por uns anos ninguém se vai lembrar que os norte-americanos estiveram no Iraque e mudaram o estado das coisas.
Os Estados Unidos estão a perder o seu papel em termos militares. Daí que as guerras de hoje em dia acabem em falhanços.
O exemplo do Iraque e Afeganistão vai servir de exemplo para futuras missões norte-americanas.
O papel da diplomacia vai ser decisivo para a resolução de conflitos nos tempos futuros. E Obama nesse aspecto tem sido mestre. O uso da força por parte dos americanos tem os dias contados.

terça-feira, 17 de agosto de 2010

E numa época tudo mudou?

Benfica e Sporting entraram com o pé esquerdo na nova época. Já o FC Porto venceu mas não convenceu e o Sporting Braga aplicou nova chapa 3, mostrando que irá estar na luta pela liderança do campeonato até ao fim. Mas o grande objectivo dos bracarenses será sem duvida a entrada na milionária Champions. Para isso terá de vencer os espanhois do Sevilha.
Se em relação ao Sporting a derrota não causa surpresa, já a do Benfica é motivo para preocupação. Mas vamos por partes.
Primeiro os leões. Os sportinguistas têm razões para ficarem preocupados. Uma época como à anterior está em perspectiva. Apesar das contratações de Maniche, Valdez e Evaldo, o leão continua orfão de um meio campo estável. Depois da saída de Moutinho foi um risco deixar sair um médio com as caracteristicas de Miguel Veloso. Acrescente-se ainda os problemas de balneário que Vukcevic e Izmailov fizeram questão de desestabilizar. E Liedson? onde anda o homem golo? Há muito que a forma do Levezinho está em baixo. E o Sporting continua muito dependente dos seus lances de génio. Que são cada vez mais raros....
O campeão entrou a perder no seu estádio. Depois da derrota na Supertaça, o alarme soou na Luz. Porque Di Maria e Ramires não estão. O argentino esteve sempre na época passada mas o brasileiro não foi titular a maioria dos jogos. Roberto continua a dar problemas e não existe alternativa central a Luisão e D. Luiz. Roderick pode ser uma boa solução. Cesar Peixoto não tem qualidade para jogar no Benfica. Mesmo assim, abrem-se boas perspectivas para o campeão revalidar o titulo se manter o nivel exibicional da época passada. Os próximos jogos definirão se irá chegar à Luz uma nova crise ou o titulo será uma realidade. Tudo depende da forma como Jesus conseguir ultrapassar um Benfica sem os dois homens das alas. E claro se os reforços que irão chegar tiverem a qualidade dos seus antecessores.
O titulo na Luz poderá ser alcançado, até porque os rivais necessitarão de tempo para estarem ao nivel do Campeão. E pelo que vimos só o rival do norte tem essas mesmas condições.

Avião despenha-se na praia....

St Maarten - Caraibas
caiu?

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

6.1 As Ordens do Feudalismo.

Foi neste período que se intensificou na Europa mas também na em Portugal as distâncias entre as várias ordens.
O feudalismo consagrou a nobreza, o clero e os vassalos como parte integrante da Sociedade Medieval.
A Sociedade Feudal era estática e hierarquizada. A nobreza feudal era detentora das terras e arrecadava os impostos aos camponeses.
Os Nobres era quem mandava nas terras. Possuíam uma imensidão de terras. Tinham muita riqueza e exerciam uma forte influência junto do Rei. Fosse ele qual fosse. Os senhores feudais eram constituidos por cavaleiros, duques, nobres, condes. Pessoas que se passeavam nas Cortes Reais e que tinha uma vida abastada. Eram no fundo guerreiros mas também conselheiros pessoais do Rei.
Eram a eles que os servos prestavam vassalagem. Em troca de abrigo e comida, a camada mais baixa da sociedade feudal trabalhava nas terras dos nobres. Pagava impostos aos nobres.
Metade do fruto do trabalho dos camponeses tinha que ser partilhado com os Senhores.
Cada Feudo podia possuir as suas leis, meios de produção e até podiam ter lingua própria.
O Clero também tinha muito poder. Igualmente muito influente junto da realeza, era o orgão da ultima decisão. Esta Ordem conseguia impedir o Rei de realizar certas reformas. Também dominava os nobres e a sociedade através do espiritualismo. Tudo o que a Igreja pregava era para ser aceite e seguido. Influenciava o modo de pensar, a psicologia e as formas de comportamento na sociedade feudal. Na Idade Média a Igreja Católica dominava no nosso país. E em quase toda a Europa Real.
Os Reis procuravam junto dos Clérigos, nomeadamente Bispos e Papas; aconselhamento psicológico e certas vezes militar.
A Igreja possuía também grande poder económico. Para além de ter terras. Tal como os nobres.
Estava isento de impostos e arrecadava o dizimo.
Os servos eram compostos pelos camponeses e artesões. Eram a camada mais baixa da população. Tinham que pagar impostos por trabalhar nas terras dos Nobres.
Entre os vários impostos estavam os seguintes:
  • Corveia : o servo deveria prestar trabalho gratuito ao senhor Feudal
  • Banalidade : Pagamento de uma taxa por utilizar os instrumentos do senhor feudal
  • Capitação : Imposto anual pago por cada individuo ao senhor feudal.
  • Talha : Parte da produção do servo que tinha de ser entregue ao nobre
  • Heriot : taxa a pagar pelo servo ao assumir o feudo no lugar de seu pai que veio a morrer.

Com muitas obrigações e quase nenhum direito, os camponeses eram como escravos. Faziam de tudo só para poder trabalhar nos Feudos....

A sociedade feudal era constituida desta forma. Mais tarde iremos dar a conhecer as várias formas de vassalagem. E explicar mais detalhadamente o "feudo" português.

Mas esta era uma sociedade em que alguns rezam, outros guerreiam e a maioria trabalha......

(continua dia 30 Agosto)

A nova face do Coelho

Passos ri-se perante a desgraça do governo
Pedro Passos Coelho mudou a face na festa do Pontal. Em vez dos habituais discursos de união cooperação com o governo, o lider do PSD optou por uma estratégia de ataque.
O PSD e o seu lider mudaram de rumo porque sentem o governo cada vez mais só. E o PM sem capacidade para liderar o país.
A sugestão de colocar nos ombros do governo a decisão de se demitir até dia 9 de Setembro é caricata. Como poderia haver eleições em 15 dias? Ou Cavaco nomearia Passos Coelho como PM num governo PSD/CDS?....
O novo Passos Coelho, aquele que muitos PSD´s temiam está a surgir.
Antes não queria o poder a todo o custo, mas agora parece que o deseja mesmo que para isso tenha de provocar uma crise.
O lider do PSD lançou um repto e uma nova imagem na festa do Pontal. A partir de agora vai fazer pressão e criar as condições para que haja uma crise politica. Nao haverá eleições agora. Nem mudança de PM. Mas até 2013 iremos assistir a uma postura do PSD de desestabilização e de criar obstaculos à governação PS. E o Orçamento para 2011 vai ser um teste a Socrates. Pode muito bem o governo cair na discussão do Orçamento de Estado.....
Depois da fase em que Coelho foi amigo de Socrates e do país, caminhamos para uma tentativa clara do PSD querer eleições antecipadas a todo o custo.
Era isto que os portugueses temiam?

sábado, 14 de agosto de 2010

Quem é o "português" mais popular?

Para aferirmos a nossa "Intelectualidade" e nivel de inteligência social, propomos fazer uma sondagem sobre quem é o mais popular dos portugueses. Não as pessoas em si mas o que elas representam.
Numa primeira fase escolhemos o que eles representam. Mais tarde, escolheremos as personalidades.
Nesta primeira fase estão em jogo as seguintes personalidades:

Um Presidente do Benfica - Sem duvida que é o homem mais popular deste país. Carrega nos seus ombros a responsabilidade de ser o lider aclamado de 6 milhões de pessoas famintas de futebol. Mais importante que um PM ou PR, uma cara metade ou mesmo os pais, um Presidente do Benfica traz esperança e alegria. Tem mais peso institucional que qualquer presidente de outro clube de futebol nacional. Verdade seja dita

Um Primeiro - Ministro : a governação do país está a seu cargo. Um país inteiro deposita a governação num homem só. Rodeado por um governo é certo, mas sempre só na hora de assumir as responsabilidades. Este PM pode ser popular por levar o país à miséria e depressão ou por feito grandes mudanças e reformas.

Um Presidente da Republica : Mais popular que um PM? porque será que o PR recebe sempre aplausos e o estado de graça de um PM dura muito pouco?. Homem de consensos, não interfere com a governação. É mais uma figura institucional do que outra coisa. Aparece sempre nas horas dificeis para serenar animos mas quando se trata de enaltecer o esforço dos portugueses não se coíbe em elogios.

Um jogador de futebol : Nele depositamos as nossas frustações. A nossa vida não vai bem é o jogador da bola que vai resolver o problema e dar-nos o titulo mundial. Quando isso não acontece, ele é o culpado de tudo e mandamo-lo embora. Queremos ser como ele. Igualzinho nos tiques, vestuário e linguagem. Guardamos em nossa casa posters e imagens dele. Até queremos que o nosso filho tenha o nome dele. É um tipo com sucesso e gostávamos de seguir o mesmo caminho.

Um actor conhecido : Revistas, festas, campanhas publicitárias. É a figura do momento. Aparece em tudo o que é programa. Não falha uma festa e é capa de todas as revistas. A sua imagem vale milhões. Tem milhares de namoradas mas não fez nada na vida. A sua vida é aquela. Aparecer, aparecer, aparecer. Mas se o virmos na rua dizemos logo olha lá vai o.............Temos inveja dele porque ele tem tudo e mais alguma coisa mas no fundo jamais conseguiríamos "ter" a vida de penetra que ele tem.

Uma Modelo que tem belas curvas : É a mulher mais famosa de Portugal. Ganha a sua vida mostrando o corpo para o país inteiro. É gira mas ninguém a agarra. Não tem uma relação estável porque a sua vida não lhe permite. E é isso que ela tem de fazer da vida porque não serve para mais nada. Arrasa corações de todos os portugueses.

Apresentado os cinco candidatos, é hora de votar até dia 20 de Outubro

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Entrevista de Plínio Arruda Sampaio no Jornal Nacional


Entrevista de Plínio Arruda Sampaio ao Jornal Nacional em 12.08.2010



Agora a minha dúvida de ontem, sobre o fato se o Jornal Nacional entrevistaria Plínio Sampaio ou não, foi explicada. Eu tinha lido por aí que Plínio seria entrevistado pelo JN, mas William Bonner e Fátima Bernardes não fizeram menção a isso no final da entrevista com Serra.

Na verdade, Plínio, por regras da emissora, não foi entrevistado na bancada do JN, porém fez uma entrevista que foi veiculada no telejornal. E por isso o silêncio de Bonner e Bernardes está justificado.

Plínio não tem a mínima chance de ganhar e suas idéias são completamente impraticáveis, contudo, fiquem de olho neste candidato porque ele promete, pelo menos, momentos de muita diversão.

Ninguém sabia que ele existia até o primeiro debate que aconteceu entre os presidenciáveis, no último dia 06.08.2010, na Band. Ele simplesmente roubou a cena, com suas declarações polêmicas, irônicas e até mesmo engraçadas e virou trending topic no twitter.

Portanto, queridos leitores do Olhar Direito, coloco abaixo a biografia deste candidato de 80 anos, que promete ser a atração destas eleições, até o fechamento do Senado ele já sugeriu. Com vocês, segundo a Wikipedia, já que não achei nada no UOL Educação, Plínio Arruda Sampaio (http://www.plinio50.com.br/):

Plínio Soares de Arruda Sampaio (São Paulo, 26 de julho de 1930) é um intelectual e ativista político brasileiro, filiado ao PSOL e candidato à Presidência da República em2010.
Formado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo em 1954, militou na Juventude Universitária Católica, da qual foi presidente, e na Ação Popular, organização de esquerda surgida a partir dos movimentos leigos da Ação Católica Brasileira.
Foi promotor público, deputado federal constituinte e atualmente preside a Associação Brasileira de Reforma Agrária (ABRA), além de dirigir o semanário Correio da Cidadania.
Durante o governo de Carvalho Pinto do Estado de São Paulo, Plínio foi indicado para a subchefia da Casa Civil. Em 1959, um ano após a eleição de Carvalho Pinto, Plínio tornou-se coordenador do Plano de Ação do Governo, função que ocupou até 1962. Ainda no governo Carvalho Pinto, foi secretário dos Negócios Jurídicos, e entre 1961 e 1962 chegou a trabalhar na prefeitura da cidade de São Paulo como secretário do Interior e Justiça.
Em 1962, foi eleito deputado federal pelo Partido Democrata Cristão e tornou-se membro da Comissão de Economia, da Comissão de Política Agrícola e da Comissão de Legislação Social. Principal liderança da ala esquerda do PDC, foi relator do projeto de reforma agrária, que integrava as reformas de base do governo João Goulart. Criou a Comissão Especial de Reforma Agrária e propôs um modelo de reforma que despertou a indignação dos grandes latifundiários do Brasil.
Após o golpe de 1964 foi um dos 100 primeiros brasileiros a terem seus direitos políticos cassados por dez anos, pelo Ato Institucional nº 1, nos primeiros dez dias do regime.[1]
Exilou-se no Chile onde morou por seis anos, trabalhando como funcionário da FAO. Tranferiu-se para Estados Unidos da América em 1970, onde trabalhou no Programa FAO/BID, em Washington D.C., antes de cursar o mestrado em Economia Agrícola na Universidade Cornell. De volta ao Brasil em 1976, foi professor da Fundação Getúlio Vargas, fundou o Centro de Estudos de Cultura Contemporânea (Cedec) e engajou-se na campanha pela abertura do regime militar e pela anistia dos condenados políticos. Ao lado de outros intelectuais do Cedec e do Cebrap, idealizou um partido à esquerda do MDB e, para isso, ao lado de Almino Affonso, Francisco Weffort e Fernando Henrique Cardoso, articulou-se com líderes emedebistas como Marcos Freire e Jarbas Vasconcelos. Paralelamente, Plínio, Weffort e Almino lançaram a candidatura de Fernando Henrique para o Senado pela sublegenda do MDB. O acordo entre eles era de construir um novo partido de esquerda, se Fernando Henrique ganhasse mais de um milhão de votos. O partido já tinha programa e manifesto e se chamaria Partido Socialista Democrático Popular (PSDP).[2]
Na concepção de Plínio, a nova agremiação seria um partido democrático e de massas com base popular e programa socialista, organizado em núcleos de base. Porém, a idéia de criar um novo partido foi abortada pela mudança de planos de Fernando Henrique, que, após se eleger suplente de senador pelo MDB em 1978, declarou como prioridade o fortalecimento da legenda, apesar do compromisso firmado com Plínio, Almino e Weffort de construir um novo partido. Fernando Henrique chegou a receber 1.600.000 votos, derrotando o candidato da ArenaCláudio Lembo, assim conquistando a suplência do senador eleito Franco Montoro. Embora tivesse combinado com Plínio de construir um partido socialista, caso atingisse a marca do milhão de votos, o que demonstraria viabilidade eleitoral de candidatos de esquerda, Fernando Henrique alegou que, se cumprisse o combinado, estaria encorajando o divisionismo. Plínio, perplexo com a inversão de prioridades do colega, rompeu com o PMDB.
Decepcionados com a atitude de Fernando Henrique, Plínio e Weffort entraram para o Partido dos Trabalhadores em 1980, data da fundação dessa agremiação de orientação socialista. Plínio foi o autor do estatuto do partido e um dos idealizadores do seus núcleos de base. Em1982, candidatou-se a deputado federal por São Paulo, tornando-se primeiro suplente. Posteriormente viria a ocupar o cargo, quando o deputado Eduardo Suplicy se afastou do parlamento para disputar a prefeitura de São Paulo. Em 1986, Plínio Sampaio foi eleito deputado federal constituinte, com 63.899 votos, tendo sido o segundo mais votado do PT (depois de Luiz Inácio Lula da Silva) e o 27º mais votado de São Paulo. Como deputado constituinte ficou nacionalmente conhecido ao propor e defender um modelo constitucional de reforma agrária, que visava acabar com os latifúndios; além disso, tornou-se o único deputado petista a presidir uma Comissão de Trabalho.
Durante a Assembléia Nacional Constituinte, foi membro da Comissão de Redação, da Comissão de Sistematização, da Comissão da Organização do Estado e da Subcomissão de Municípios e Regiões, que presidiu.[3] Fez parte do bloco suprapartidário de articulação daIgreja Católica, como membro da Comissão de Acompanhamento da CNBB na Constituinte. Foi ainda vice-líder da bancada do PT em 1987, e substituiu Luís Inácio Lula da Silva na liderança do partido, em 1988 no mesmo ano disputa as prévias internas no PT para sair candidato a prefeitura de São Paulo sendo derrotado por Luiza Erundina, exercendo a função de vice-líder petista até 1990.
Candidatou-se a governador do Estado de São Paulo, em 1990, sendo derrotado pelo secretário de Segurança Pública Luiz Antônio Fleury Filho, candidato do PMDB, ostensivamente apoiado pelo governador Orestes Quércia.
Após desligar-se do Partido dos Trabalhadores, do qual foi um dos fundadores e histórico dirigente, ingressou no Partido Socialismo e Liberdade (PSOL). Por não concordar com o rumo político do PT, Plínio desligou-se do partido em 2005 - logo após 1º turno do Processo de Eleições Diretas (PED) que elegeu um novo Diretório Nacional. Na ocasião Plínio foi candidato a presidente nacional do PT encabeçando a chapa "Esperança Militante", quando conquistou 13,4% dos votos dos filiados e alcançou a 4ª colocação. Em 2006, como candidato do PSOL a governador do Estado de São Paulo, chegou a dizer, durante debate que precedeu o primeiro turno das eleições, que o programa político do PT era idêntico ao do PSDB.
Por defender a luta pelo socialismo, diverge do programa democrático-popular da direção majoritária do PSOL, representada por Heloisa Helena e pelas correntes Movimento Esquerda Socialista e Ação Popular Socialista, por repetir os erros do PT. Em contraposição, colabora para a construção de um campo revolucionário dentro do partido, com as correntes Coletivo Socialismo e Liberdade, Coletivo Socialista Rosa do Povo e centenas de militantes socialistas como Sandra Feltrín, Fernando Silva Tostão, Agnaldo Fernandes, Roberto Leher, Bruno Meirinho, Plínio de Arruda Sampaio Filho, Rosa Marques, Marcelo Badaró, Paulo Rios, Paulo Gouveia, Júnia Golveia, Jorginho Martins, Ricardo Antunes, José de Campos Ferreira, Jesualdo Campos Júnior, Hélio de Jesus, Paulo Pasin, Leninha e Raul Marcelo.
Durante o II Congresso do PSOL, o deputado estadual Raul Marcelo lançou a pré-candidatura de Plínio à presidência da República, com o propósito de construir um programa que sirva para lutar contra os efeitos da crise econômica sobre os trabalhadores e pela unidade da esquerda socialista contra o capital.
A tese defendeu o aprofundamento das relações com os países da América Latina para a construção de saídas coletivas, lembrando que o Brasil foi o 2º país mais impactado na redução do PIB e perdeu 1 milhão de postos de trabalho, sendo 800 mil com carteira assinada.
Raul Marcelo também defendeu um partido de militantes nucleados, com autonomia de classe, que não receba recurso dos patrões, com uma política clara de alianças de classe com PCB e PSTU e não com o PV.
Dias depois foi apresentado um manifesto com centenas de assinaturas em apoio a pré-candidatura de Plínio de Arruda Sampaio. O conteúdo na íntegra pode ser encontrado no site http://pliniopresidente.com. Até o momento, entre milhares de pessoas, filiadas ou não ao PSOL, que já aderiram à pré-candidatura, há Fábio Konder Comparato, Aziz Ab'Saber, José Arbex Jr., Dom Cappio, Dom Tomás Balduíno, Carlos Nelson Coutinho, Leandro Konder, Virgínia Fontes, Vito Letízia, Ivan Valente, Rosa Marques, Marcelo Freixo, Gilberto Maringoni, João Alfredo, João Machado, Chico de Oliveira, Ricardo Antunes, Chico Alencar, Raul Marcelo, José Nery, Milton Temer, Arthur Moreira, Fernando Silva "Tostão", Sandra Feltrín, Hugo Maron entre outras pessoas com histórica trajetória na esquerda brasileira. E, inclusive tem apoio internacional, como o recebido de István Mészáros e François Chesnais. Em 10 de Abril de 2010, foi confirmada a pré-candidatura de Plínio de Arruda Sampaio à presidência e em 30 de junho de 2010, em Convenção realizada em São Paulo, seu nome foi oficializado candidato ao cargo, tendo como vice o pedagogo Hamilton Assis, do PSOL baiano.
Plínio obteve destaque na imprensa e na rede social twitter por conta de seu desempenho no primeiro debate eleitoral entre os postulantes à cadeira de Lula, realizado pela TV Bandeirantes em 5 de Agosto de 2010.
Plínio de Arruda Sampaio é um dos mais respeitados intelectuais de esquerda católica e também um do mais árduos defensores daTeologia da Libertação entre o laicato. Suas posições fortes em defesa da reforma agrária também o tornam muito querido pelos movimentos sociais de trabalhadores sem-terra, sendo também presidente da ABRA, a Associação Brasileira de Reforma Agrária, gestão 2007-2010 [4].
Desde 1996 é diretor do jornal Correio da Cidadania, veículo de imprensa independente da cidade de São Paulo.
Em 2007, aos 76 anos, participou ativamente da histórica passeata na Avenida Paulista organizada no dia Dia Internacional da Mulher, pelos direitos da mulher trabalhadora e contra a política externa do presidente estadunidense George W. Bush.

Larissa Bona

Quem vai ganhar no Brasil?

Dia 3 de Outubro quem vai sucessor a Lula da Silva na Presidência da Nação Brasileira?
  1. Américo de Souza (PSL)
  2. Dilma Rousseff ( PT)
  3. Ivan Pinheiro ( PCB)
  4. José Maria Ismayel (PSDC)
  5. José Serra ( PSDB)
  6. Levy Fidelix (PRTB)
  7. Marina Silva (PV)
  8. Plinio Sampaio ( PSOL)
  9. Rui Pimento (PCO)
  10. Ze Maria (PSTU)
Aposte no seu vencedor favorito...

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Entrevista de José Serra no Jornal Nacional

Entrevista de José Serra no Jornal Nacional em 11.08.2010

Ontem foi a vez do ex-governador de São Paulo ser sabatinado pela dupla do Jornal Nacional, cuja entrevista disponibilizamos acima.

E, abaixo, coloco a biografia de José Serra (http://joseserra.psdb.org.br/) de acordo com o texto contido no site UOL Educação (http://educacao.uol.com.br/biografias/jose-serra.jhtm):

José Serra nasceu no bairro da Mooca na capital paulista. Ainda adolescente, ingressou na política, como presidente da União Estadual dos Estudantes de São Paulo entre 1962 e 1963. Depois, nos dois anos seguintes, foi presidente da UNE. Perseguido pelo governo militar, três meses depois do golpe de Estado que derrubou João Goulart em 1964, seguiu para o exílio. No exterior, Serra enfrentou dificuldades e não pôde concluir seus estudos de engenharia. Decidiu, então, cursar Economia. Fez seu mestrado nessa disciplina pela Universidade do Chile, da qual se tornou professor. Também foi funcionário da Organização das Nações Unidas nesse período. Obrigado a exilar-se novamente, após o golpe de Pinochet, Serra foi para os Estados Unidos, onde obteve outro mestrado e o doutorado em Ciências Econômicas pela Universidade de Cornell. Por dois anos, trabalhou professor do Instituto de Estudos Avançados de Princeton. Em 1978, José Serra retornou ao Brasil. Tornou-se professor da Unicamp, pesquisador do Cebrap e editorialista da Folha de S. Paulo. Ajudou a fundar o PMDB, a partir do antigo MDB, sendo relator do primeiro programa do partido. No governo Franco Montoro (1983-1987), foi Secretário de Economia e Planejamento do Estado de São Paulo. Elegeu-se deputado federal em 1986 e reelegeu-se em 1990. Quatro anos mais tarde, foi eleito senador por São Paulo. Em seguida, ocupou o Ministério do Planejamento e Orçamento do governo Fernando Henrique Cardoso até meados de 1996. A partir de abril de 1998 assumiu o Ministério da Saúde. No ministério, comandou uma campanha de combate à Aids que é reconhecida como referência no mundo e que é, hoje, adotada por diversos países. Também implantou os genéricos e regulamentou a lei de patentes, fazendo aprovar uma resolução da Organização Mundial do Comércio que permite aos países quebrarem patentes em caso de interesse da saúde pública. Em 2004, José Serra assumiu a prefeitura de São Paulo, com um desempenho que correspondeu a sua imagem de administrador eficiente e aumentou sua popularidade. Assim, mesmo tendo feito a promessa de cumprir integralmente o mandato como prefeito, deixou o cargo para concorrer ao governo do Estado. Conseguiu conquistar o eleitorado da capital e do interior, elegendo-se governador de São Paulo, no primeiro turno, em outubro de 2006.

Eu acredito que a série de entrevistas do Jornal Nacional, que segundo a jornalista política Lúcia Hippólito é importantíssima para o convencimento do eleitor dada sua audiência diária de cerca de 40 milhões, acaba hoje.



Mas, eu fiquei em dúvida se eles ainda vão entrevistar o candidato Plínio Sampaio do Partido Socialismo e Liberdade - PSOL . Se o entrevistarem hoje, obviamente que aqui postaremos a entrevista.



Larissa Bona

Entretenimento de Verão....

Os fogos de verão são o entretenimento da nossa comunicação social nesta estação em que a politica está de férias e o futebol ainda é a brincar.
Fogos, fogos e mais fogos. Calor, calor, ventoinhas e ar condicionado.
Isto é o que interessa quando a maioria de todos nós está desligado da tv, internet e jornais.
Como não há audiências, é de meter fogos para que haja possibilidade de encher os telejornais já de si com muita noticia sem interesse.
Foi quase há quatro anos que o país ficou verdadeiramente a arder. Milhares e Milhares de hectares a arder por esse país fora. Até então, os "fogos" era uma coisa normal. Em qualquer país do Mundo que tenha quilometros de vegetação...
Depois do fumo de há quase quatro anos as televisões "pegaram" na moda e a partir daí assistimos a um autêntico show de fogo. Há fogos para todos os gostos e feitios. De norte a sul do país. As criticas são sempre as mesmas. Não existem meios suficientes mas o Sr.Ministro está sempre na localidade afectada para averiguar se não existe nenhum reacendimento.
Fogo posto? culpa dos foguetes? dos cigarros? dos pic nics? Ninguém sabe. Nunca se vai saber.
Esta situação mostra bem como a Televisão consegue transformar algo inutil e completamente sem interesse num Mega Evento.
É esta a nossa infeliz Comunicação Social.....

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Entrevista de Marina no Jornal Nacional


Entrevista de Marina Silva no Jornal Nacional em 10.08.2010


Dando seguimento à publicação da biografia dos candidatos à Presidência da República do Brasil, disponibilizamos, acima, a entrevista dada por Marina Silva ao Jornal Nacional.



Dos três principais candidatos à Presidente, a Senadora Marina Silva (http://www.minhamarina.org.br/home/home.php)é quem tem a mais interessante biografia, no que tange, principalmente, o quesito superação. Coloco abaixo, o texto do UOL Educação (http://educacao.uol.com.br/biografias/marina-silva.jhtm), que relata a sua vida:

Maria Osmarina Marina Silva Vaz de Lima nasceu numa colocação (casa sobre palafitas) chamada Breu Velho, no Seringal Bagaço, a 70 quilômetros de Rio Branco, Estado do Acre. Pouco tempo depois, a família tentou construir nova vida em Belém do Pará, mas, sem alcançar sucesso, retornou ao seringal, onde Marina e os irmãos trabalharam extraindo látex e plantando roçados.
Aos 16 anos, Marina mudou-se para Rio Branco, em busca de tratamento para a hepatite que contraíra. Permanece na cidade, trabalhando como empregada doméstica, e começa a estudar no Mobral (Movimento Brasileiro de Alfabetização), onde aprende a ler e escrever. Cursando supletivos, consegue terminar o ensino médio.
Após realizar tratamento médico para uma segunda hepatite, ingressa na Universidade Federal do Acre, onde cursa história. Influenciada por ideias marxistas, filia-se ao Partido Revolucionário Comunista (PRC), organização política clandestina que atuou de 1980 a 1989 - e que participaria da fundação do Partido dos Trabalhadores (PT).
Fundadora da Central Única dos Trabalhadores (CUT) no Acre, ao lado de Chico Mendes, Marina co-liderou o movimento sindical no Estado. Em 1988, já integrada ao PT, foi eleita como a vereadora mais votada para a Câmara Municipal de Rio Branco.
Em l990, elege-se deputada estadual. Depois de longo tratamento de saúde, desta vez devido à contaminação por metais pesados, ocorrida na época em que trabalhava nos seringais, candidata-se ao Senado. Eleita aos 36 anos, torna-se a senadora mais jovem da história da república.
Em 2002, com a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva à presidência da República, é nomeada ministra do Meio Ambiente, cargo do qual se demite em 13 de maio de 2008, já no segundo governo Lula, quando volta a atuar no Senado. No dia 19 de agosto de 2009, desliga-se do PT.
Filiada ao Partido Verde, participa no Senado como membro titular da Comissão de Meio Ambiente e suplente de várias outras comissões.
Dentre inúmeros galardões, Marina Silva recebeu o prêmio 2007 Champions of the Earth, concedido pelas Nações Unidas; a medalha Duque de Edimburgo, em reconhecimento à sua luta em defesa da Amazônia brasileira; o prêmio Sophie, também por seu trabalho em defesa do meio ambiente, oferecido pela fundação norueguesa Sophie (criada pelo escritor norueguês Jostein Gaarder, autor do best-seller "O Mundo de Sofia"); e o prêmio Mudanças Climáticas, da Fundação Príncipe Albert 2º de Mônaco. A senadora foi considerada, pelo jornal espanhol El País, um dos 100 maiores protagonistas do ano de 2009.


Aproveito o ensejo para informar aos leitores do Olhar Direito que o Jornal Folha de São Paulo e o Portal UOL promoverão um debate online com os principais candidatos à Presidência no dia 18.08.2010.

Eles responderão perguntas dos internautas que poderão ser feitas por meio de vídeo. Assim, quem quiser postar um vídeo com pergunta pode fazê-lo por meio do canal de envio do UOL (http://eleicoes.uol.com.br/2010/debate-virtual/enviar-pergunta/) ou pelo Facebook (http://www.facebook.com/UOLNoticias?v=app_7146470109).

Amanhã, publicaremos a entrevista de José Serra do PSDB - Partido da Social Democracia Brasileira.

Larissa Bona

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Entrevista de Dilma no Jornal Nacional

Entrevista dada por Dilma Rousseff ao Jornal Nacional da Rede Globo em 09.08.2010


Prezados leitores, seguimos hoje com a cobertura das Eleições Gerais no Brasil 2010 e volto a falar sobre os candidatos à Presidência da República, dessa vez trazendo as suas biografias, conforme prometido no post passado.

Em virtude do fato de que, ontem, o Jornal Nacional da Rede Globo, que é o telejornal de mais tradição e audiência da televisão brasileira, começou uma série de entrevistas com os principais candidatos ao cargo de mandatário da nação brasileira, resolvi começar pela biografia da candidata Dilma Rousseff do PT - Partido dos Trabalhadores, que foi a primeira entrevistada dessa série.

Aproveito o ensejo para, não apenas informar a biografia dos candidatos, mas também disponibilizar aqui, como fiz acima, todas as entrevistas feitas pelo Jornal Nacional.

Muito embora no site de Dilma (http://www.dilma13.com.br/) haja um vídeo no qual é informada a sua biografia, eu não vou reproduzí-lo neste blog porque entendo que se trata de uma peça publicitária e, portanto, parcial.

Deste modo, a fonte que utilizarei para relatar a sua biografia, será o texto contido no site UOL Educação (http://educacao.uol.com.br/biografias/dilma-rousseff.jhtm), que é neutro e independente. Tal postura adotarei também em relação aos demais candidatos. Vejamos abaixo a biografia de Dilma:


Dilma Vana Rousseff nasceu em 14 de dezembro de 1947, em Uberaba, Estado de Minas Gerais. Filha do engenheiro e poeta búlgaro Pétar Russév (naturalizado brasileiro como Pedro Rousseff) e da professora brasileira Dilma Jane Silva, faz a pré-escola no
Colégio Isabela Hendrix e, a seguir, ingressa em um dos colégios mais tradicionais do Brasil, o Sion, de influência católica.
Aos 16 anos, transfere-se para uma escola pública, o Colégio Estadual Central (hoje Escola Estadual Governador Milton Campos). Começa, então, a militar como simpatizante na Organização Revolucionária Marxista - Política Operária, conhecida como Polop, organização de esquerda contrária à linha do PCB (Partido Comunista Brasileiro), formada por estudantes simpáticos ao pensamento de
Rosa Luxemburgo e Leon Trotski.
Mais tarde, em 1967, já cursando a Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais, Dilma passou a militar no Colina (Comando de Libertação Nacional), organização que defendia a luta armada. Esse comportamento, de passar de um grupo político a outro, era comum nos movimentos de esquerda que atuavam durante o período da ditadura iniciada com o
Golpe de 1964,
Em 1969, já vivendo na clandestinidade, Dilma usa vários codinomes para não ser encontrada pelas forças de repressão aos opositores do regime. No mesmo ano, o Colina e a VPR (Vanguarda Popular Revolucionária) se unem, formando a Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-Palmares). Em julho, a VAR-Palmares rouba
o "cofre do Adhemar", que teria pertencido ao ex-governador de São Paulo Adhemar de Barros. A ação ocorreu no Rio de Janeiro e teria rendido à guerrilha US$ 2,4 milhões. Dilma nega ter participado dessa operação, mas há quem afirme que ela teria, pelo menos, ajudado a planejar o assalto.
Em setembro de 1969, a VAR-Palmares sofre um racha. Volta a existir a VPR. Dilma escolhe permanecer na VAR-Palmares - e ainda teria organizado três ações de roubo de armas no Rio de Janeiro, sempre em unidades do Exército.

Presa em 16 de janeiro de 1970, em São Paulo, o promotor militar responsável pela acusação a qualificou de "papisa da subversão". Fica detida na Oban (Operação Bandeirantes), onde é torturada. Depois, é enviada ao Dops. Condenada em 3 Estados, em 1973 já está livre, depois de ter conseguido redução de pena no STM (Superior Tribunal Militar). Muda-se, então, para Porto Alegre, onde cursa a Faculdade de Ciências Econômicas, na Universidade Federal do RS.



Do PDT ao PT


Filia-se, então, ao Partido Democrático Brasileiro (PDT), fundado por
Leonel Brizola em 1979, depois que o governo militar concedeu anistia política a todos os envolvidos nos anos duros da ditadura.
Dilma Rousseff ocupou os cargos de secretária da Fazenda da Prefeitura de Porto Alegre (1986-89), presidente da Fundação de Economia e Estatística do Estado do Rio Grande do Sul (1991-93) e secretária de estado de Energia, Minas e Comunicações em dois governos: Alceu Collares (PDT) e Olívio Dutra (PT).

Filiada ao Partido dos Trabalhadores (PT) desde 2001, coordenou a equipe de Infra-Estrutura do Governo de Transição entre o último mandato de
Fernando Henrique Cardoso e o primeiro de Luiz Inácio Lula da Silva, tornando-se membro do grupo responsável pelo programa de Energia do governo petista.
Dilma Rousseff foi ministra da pasta das Minas e Energia entre 2003 e junho de 2005, passando a ocupar o cargo de Ministra-Chefe da Casa Civil desde a demissão de José Dirceu de Oliveira e Silva, em 16 de junho de 2005, acusado de corrupção.

Em 2008, a Casa Civil foi envolvida em duas denúncias. Primeiro, a da montagem de um provável dossiê contendo gastos pessoais do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. O dossiê seria uma suposta tentativa de silenciar a oposição, que, diante do escândalo dos gastos com cartões de créditos corporativos realizados por membros do governo federal, exigia a divulgação dos gastos pessoais do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de sua esposa. Depois, em junho, a ex-diretora da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Denise Abreu, acusou a Casa Civil de ter pressionado a agência durante o processo de venda da empresa Varig ao fundo de investimentos norte-americano Matlin Patterson e seus três sócios brasileiros. Dilma Rousseff negou enfaticamente todas as acusações.

Em 9 de agosto de 2009, a ex-secretária da Receita Federal, Lina Vieira, disse ao jornal
Folha de S. Paulo que, num encontro com Dilma, a ministra teria pedido que uma investigação realizada em empresas da família Sarney fosse concluída rapidamente. Dilma negou a declaração de Lina, que, por sua vez, reafirmou a acusação em depoimento no Senado Federal, mas não apresentou provas.
Apesar de, em diferentes períodos, ter cursado créditos no mestrado e no doutorado de Economia, na Unicamp, Dilma Rousseff jamais defendeu a dissertação ou a tese.

De guerrilheira na década de 1970 a participante da administração pública em diferentes governos, Dilma Vana Rousseff tornou-se uma figura pragmática, de importância central no governo Lula, de quem é candidata à sucessão nas eleições de 2010.

Larissa Bona

PS: Amanhã, publicarei, a entrevista e biografia de Marina Silva, candidata do PV - Partido Verde.

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

O Mundo sem Eles....

Fidel Castro e Nelson Mandela são duas figuras históricas. Nos seus países mas também à escala global....
Enquanto que o Cubano revolucionou Cuba, já o Sul-Africano foi elevado à categoria de Deus porque conseguiu unir pretos e brancos na África do Sul.
Os dois estão em idade avançada. Cada problema de saúde é tido como sinal de que a sua hora está próxima.
Mesmo assim são duas personagens que continuam a ser notícia. E com influência na política do respectivo país.
Não lideram politicamente mas são simbolos. Lideres incontestáveis e que aonde vão arrastam multidões.
Apesar de se gostar ou não das figuras, a verdade é que os dois terão o seu lugar na história. Quando já não estiverem entre nós, as suas ideias, doutrinas, revoluções mas principalmente a história serão sempre lembrados nos países que os fizeram heróis.
Continuarão a ser lidos e olhados com respeito.
Haverá um Antes e Depois de Mandela e Castro em Cuba e na África do Sul.
O seu trabalho será sempre recordado e servirá de exemplo para os demais que vierem a ocupar a cadeira do poder. Cadeira essa que está nitidamente marcada pela governação de cada um......
Mandela e Castro poderão desaparecer fisicamente mas a sua memória perdurará eternamente.
Muito para além das fronteiras cubanas e sul africanas....

sábado, 7 de agosto de 2010

Praias Portuguesas (7)

Esta beleza natural é portuguesa ou brasileira?

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

2.1.9. Período pré-povoamento: quem não dá assistência, abre caminho para a concorrência



No nosso ultimo post relatamos o chegada de João Ramalho às terras tupiniquins em 1513, um degredado que, assim como o Caramuru, foi personagem importante na colonização do Brasil, uma vez que ele foi essencial para a fundação da mais importante metrópole da América Latina: a cidade de São Paulo.

Muito embora não tenha falado sobre isso no post anterior, gostaria de ressaltar que também foi em 1513 que o contrato de concessão para exploração do pau-brasil foi renovado, mas passou para as mãos de Jorge Lopes Bixorde. Em 1515, o tal contrato venceu e não foi renovado.

Alguns historiadores alegam que isso foi um sinal de que a Coroa portuguesa estava começando a convencer-se da necessidade de colonizar o território brasileiro.

Afinal de contas, os piratas franceses, apoiados por Francisco I da França, e piratas espanhóis e holandeses, estavam fazendo a festa no Brasil, extraindo o pau-brasil à vontade, de vez que não havia nem povoação e nem guarda - costeira para defender o território.

Neste sentido, D. Manuel determinou que Cristóvão Jacques, um nobre português nascido no Algarve, liderasse uma expedição militar ao Brasil, com o objetivo de patrulhar a costa brasileira, de modo que o nomeou “governador das partes do Brasil”, sendo esta a primeira vez que o nome “Brasil” era oficialmente utilizado para denominar estas terras.

Dessa forma, em 1516, zarpou, rumo ao Brasil, a primeira Expedição Guarda-Costas, composta de duas caravelas.

A missão de Cristóvão Jacques era prender os barcos piratas, confiscar as cargas, afundá-los, prender os tripulantes destes navios e decidir se os executaria ou não, dependendo de seu humor.

Além disso, ele tratou de fortificar as feitorias que já existiam no Rio de Janeiro, Cabo Frio, Iguaçu e Santa Cruz, bem como chegou a navegar o Rio da Prata, que é um estuário formado pelos rios Paraná e Uruguai.

Neste mesmo ano, D. Manuel baixou um decreto no qual a Coroa oferecia assistência e equipamento para todo aquele que emigrasse para o Brasil e aqui construísse um engenho de açúcar.

Entretanto, apenas os judeus, bandidos, condenados e exilados quiseram aproveitar tal subsídio, pois os colonos cristãos ainda preferiam as Índias.

E assim observa-se como D. Manuel percebeu que quem não dá assistência abre caminho para a concorrência e resolveu colocar ordem na casa, que, como diria Amália Rodrigues, era uma casa portuguesa, com certeza.

Larissa Bona

Próximo post em: 18.08.2010 – 2.1.10. Período pré-povoamento: pau-brasil wars, a pirataria contra-ataca.
Share Button