quarta-feira, 22 de abril de 2015

À primeira vista...

PS apresenta documento decada para portugal 2015 -Cerca de 35 minutos de leitura, em perfeita diagonal (a bem da verdade) do recente documento do Partido Socialista: "Uma década para Portugal".
Não acredito que seja o programa eleitoral do PS para as próximas legislativas, mas sim um documento de trabalho que possa servir, eventualmente, de base para as propostas eleitorais dos socialistas aos portugueses.
Sem entrar em pormenores de concordar ou deixar de concordar com o que é exposto, de achar válidas ou irrealistas as noções aí apresentadas, (até porque não as li convenientemente), a verdade é que há algumas questões em relação a este documento.
Primeiro, está aquém das áreas (ou muitas das áreas) apresentadas na "Agenda para a Década", aprovada no último congresso do PS.
Segundo, tem algumas propostas que não diferem muito das propostas do actual Governo ou até de medidas por este já anunciadas, o que dificulta significativamente apresentar-se como alternativa. Veja-se o caso do alívio de alguma carga fiscal ou a reposição salarial (essencialmente a diferenciação está no cronograma e não na medida em si).
Terceiro, independentemente da validade das propostas, ao documento falta abrangência estratégica.  Há uma preocupação com a carga fiscal e a tributação, com o emprego ou o desemprego, com a segurança social, com o investimento, com o peso da máquina da administração central e com o regresso do simplex, com o regime laboral e a massa salarial, ou com as privatizações/concessões e a regulação. Ao mesmo tempo que a justiça e a educação (teme-se o regresso das "novas oportunidades" tal como foram implementadas) são referências mínimas, há uma relevante ausência de áreas tão vitais como a saúde, a ciência e a investigação, a agricultura, a economia azul (o mar), os transportes, a rede viária, a energia e as comunicações (já que se criticou tanto o Governo no caso das suas privatizações), bem como a regionalização e o papel das autarquias (relembro as críticas à "fusão/extinção" das freguesias).
Mas para já há uma certeza... este documento do Partido Socialista obrigou a posição/Governo a vir a público, obriga a um redobrar de atenções por parte de Passos Coelho, do PSD e do CDS, que já imaginavam (até por força das últimas sondagens) um PS adormecido e resignado. Entrámos, agora sim, em campanha eleitoral.
A ler... com mais atenção.

Sem comentários:

Share Button